sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Os encantos da Serra Negra.


Bezerros é uma cidade do estado de Pernambuco que se situa entre os municípios de Gravatá e Caruaru. Distante 100 km da capital, Bezerros, também conhecida como terra do Papangu, está inserido na unidade geo ambiental do Planalto da Borborema, e é lá que a 10 km do centro da cidade encontramos um povoado chamado Serra Negra. Contrastando com o calor das praias de Pernambuco, este povoado, um recanto a mais ou menos 1000 m de altitude, tem temperaturas que podem chegar aos 9°C no inverno, e possui muitas atrações para turistas e aventureiros, entre trilhas, grutas, mirantes e açudes.

O passeio foi praticamente de última hora, fiquei sabendo na quinta feira a noite, que é o tradicional dia de encontros motociclísticos em Recife. Na sexta acertamos o horário e saímos as 7:30h da manhã. Estávamos em 4 motos e 6 pessoas, 2 Tenerés 250, uma Twister e uma CB400 que não ia ficar para trás das Tenerés, respectivamente pilotadas por Leo Correia, Ralfe Gama, Gilberto e Demetrius(Eu), excelentes companheiros de estrada por sinal. Sempre que pegamos a BR 232 existe uma parada obrigatória no Rei das Coxinhas, que fica já chegando em Gravatá, logo depois do Posto da Polícia Rodoviária da Serra das Russas. Para quem não conhece, a Serra das Russas é um trecho que antes da duplicação da BR 232 era extremamente perigoso. Para quem subia, um aclive acentuado em 2 faixas e sem acostamento com extensão de 8 Km. Para quem descia, uma faixa de rolamento repleta de curvas sinuosas e rodeada por precipícios. Mas é um trecho que acrescenta um certo encanto a viagem.



Bem, no Rei das Coxinhas, onde para mim é feita a melhor coxinha de Pernambuco, quiçá do Brasil, as opções vão bem além da tradicional coxinha de frango. Lá você tem opção de coxinha de charque, bacalhau e camarão, com ou sem catupiry, e até quibes fazem parte do Menu. Não deixe de provar a deliciosa Cartola com queijo de manteiga, doce feito com bananas assadas cobertas com queijo, açúcar e canela, chega da água na boca só de pensar! De sobremesa, ainda é possível experimentar o bolo de rolo, além de queijo de coalho com mel de engenho e pastel de Belém.

Estômago forrado, seguimos viagem pela BR 232 rumo a Bezerros. Chegando em Bezerros, pegamos o primeiro acesso a via local, seguimos adiante até o primeiro cruzamento onde pegamos a direita na Av. Agamenon Magalhães. Daí e só seguir em frente até chegarmos em uma ponte, onde há uma linha férrea, seguimos em frente passando por cima da ponte e viramos a direita, então novamente a direita na segunda rua e depois esquerda, agora é só seguir pela estrada de terra e barro com algumas subidas ingrimes que terão de ser feitas em primeira e segunda marcha para quem estiver garupado. Em caso de dúvidas basta perguntar o caminho para algum morador local que ele indicará.

Após alguns Km de poeira chegamos ao pólo cultural, onde temos um mirante com uma vista maravilhosa e um anfiteatro. Caso a parada no Rei das Coxinhas não tenha sido suficiente, temos algumas opções como o Bar Mirante da Serra, mas não foi nosso caso, então depois da sessão de fotos seguimos por uma trilha de 2,5 km até a entrada do Parque Ecológico, e no meio do caminho demos uma parada para algumas fotos.









Em frente ao Parque Ecológico temos uma área onde podemos estacionar carros e motos, e também encontramos o Bar do Tota, um bar e restaurante super simples e sem frescuras. Lá temos várias opções com preços bem em conta para o almoço, e a não ser que você seja igual a mim, os pratos individuais servem duas pessoas fácil.

Entrando no Parque Ecológico e seguindo pelas formações rochosas sentimos um clima incrível, a umidade do ar estava mais alta e a sensação térmica era de um clima bem mais frio. Para quem estava sentindo aquele calor do verão nordestino foi um alívio e tanto. Seguimos pelas trilhas e topamos com um observador a distância, um urubu que estava na nossa espreita como se dissesse: Não caia nãaao. Demos a volta ao redor do parque e não exploramos mais trilhas pois estávamos com um pouco de pressa para voltarmos para Recife, inclusive ainda podíamos seguir adiante e irmos até a Caverna do Deda, nome dado em homenagem ao já falecido herdeiro do Major Manuel Laurentino, que adquiriu as terras nos meados do século XVII para o cultivo do café e da Banana. A caverna é um grande afloramento em rocha cristalina, e reserva ao seus exploradores um mirante localizado em um dos pontos mais altos da Serra, onde ainda é possível descer de rapel. Mas o bom de não ter visto todas as atrações é que temos motivos para retornamos outro dia, quem sabe na época de frio e chuvas onde com os riachos esbanjando água é montada inclusive uma tirolesa.











Pausa para o almoço e um descanso com uma bela prosa com os amigos, inclusive já arquitetando outras aventuras pois estávamos com a presença do ilustre Ralfe Gama do Comando Cascavel, aventureiro nato! Depois do descanso retornamos a Recife. A viagem foi super tranquila e ainda aproveitamos para encher o tanque na BR onde a gasolina é bem mais em conta.

Este é um roteiro que vale a pena, pode-se ir de carro, moto e até bicicleta. Em Junho na época de São João, para quem gosta de forró esta é a Rota Certa, já no mês seguinte nós temos o Bezerros Motofest e a Serra Negra também fica bastante movimentada, sem falar no frio. As vezes podemos ser surpreendidos por uma nuvem passando pertinho pertinho. Um grande moto abraço e até a próxima aventura.

Texto por: Demetrius Sanguinete.
Fotos: Ralfe Gama e Demetrius Sanguinete.

5 comentários:

  1. Realmente o roteiro é muito bom! Vale a pena! Vamos a outras aventuras e mais uma vez parabéns cara! Você já já vira profissional! É um blogueiro de primeira!

    ResponderExcluir
  2. Parabéns amigo... ficou show.

    ResponderExcluir
  3. Poxa... Deu até vontade de conhecer! Muito bom!

    ResponderExcluir
  4. Pois não deixe de ir. Na época de São João o frio é uma atração extra!

    ResponderExcluir
  5. Foi um passeio super legal mesmo!! A dose precisa ser repetida.

    ResponderExcluir