quarta-feira, 15 de julho de 2015

Planejando viagens de moto. Parte 3, manutenção

Para quem gosta de mecânica e de meter a mão na massa, essa é a parte mais gostosa do planejamento da viagem. Aliás, em determinado ponto já deixa de ser apenas planejamento, pois começamos a executar o nosso projeto realizando a manutenção da protagonista da viagem, a moto.

Caso você ainda vá escolher o modelo com o qual irá viajar, os pontos como distância e tempo disponível, que já devem estar definidos, talvez influencie na sua escolha. Mas de repente você não precise realizar esta tarefa, você pode ir com sua moto atual que você usa para ir ao trabalho todos os dias, foi assim que fiz, mas para comprá-la eu usei um parâmetro importante na hora da escolha, economia! Eu escolhi a Fazer 250 porque além de ser econômica, quase 30 km/L, ela tem valor de manutenção baixo e possui pneu sem câmara, o que me garantiria uma segurança extra.

Mas apesar do tema ser a moto, não vamos focar na compra dela neste guia, esta é uma tarefa que fica a sua escolha, o ponto aqui é a manutenção necessária para que você vá e volte em segurança e sem contratempo. Além do mais, lembre-se que qualquer moto vai a qualquer lugar, desde que devidamente revisada. E como diz o lema de um Moto Clube aqui da região, se é longe nós "sai" cedo!

Então vamos lá. De acordo com a distância da viagem e da quilometragem motocicleta já rodou, é preciso elencar uma lista de peças que precisam se substituídas para que você não tenha este trabalho durante o trajeto. Um grande amigo desta etapa é o manual de sua moto, lá tem uma tabela com a quilometragem de todas as peças que necessitam ser trocadas regularmente.

Itens que eu incluo no meu Check List:
  • Pneus
  • Cabos de comando
  • Rolamentos de roda
  • Vela
  • Tração
  • Filtro de ar
  • Filtro de óleo
  • Troca de óleo inicial
  • Pastilhas de freio
  • Fluidos em geral
  • Lâmpada do farol
  • Lubrificação da suspensão traseira
Pontos a frisar: quantos quilômetros mais minha tração aguenta? e os pneus?

Eu normalmente saio com tudo novo, minhas viagens tiveram entre 10 e 14 mil km, portanto, se eu saísse com pneus usados, com toda certeza teria que substituir o traseiro no caminho, a mesma coisa com o pinhão da tração, e isso eu não queria de jeito nenhum. Trocar peças no caminho é perda de tempo e de dinheiro, afinal não vai dar para pesquisar o mais barato, isso se você achar! E você ainda pode guardar as peças antigas para usar quando voltar.

Cabos de comando também são muito importantes, eu sempre coloco novos, assim evito problemas e ainda levo os velhos para usar numa emergência.

Rolamentos de roda devem ser substituídos também, pois custam pouco e nem sempre há como saber o real estado deles. O dianteiro até dura muito bem se tiver manutenção adequada, mas o traseiro as vezes tem baixa duração. Mais uma dica, não confie na lubrificação que vem de fábrica, lubrifique-os mesmo novos.

Os outros itens não precisa explicar muito, pois são itens que tem de ser trocados entre 10 e 20 mil km, depende do modelo da moto. Portando não deixe de trocar fluidos como óleo de bengala, e de verificar muito bem o estado das pastilhas de freio. Rodando na estrada elas duram bem mais, porém uma pastilha que já rodou 5 mil km pode pedir substituição no caminho, e como é um item que custa pouco, mais um vez vale o beneficio. A lâmpada do farol também não deve ser esquecida, uma lampada com 10 mil km ilumina menos que uma nova, e você se livra da possibilidade de levar uma multa por causa de 15 reais.

Fazendo tudo isto com antecedência você pode ir atrás dos melhores preços, pode comprar pela internet, esperar chegar e depois levar no seu mecânico de confiança, ou pode fazer como eu, que faço toda a manutenção com exceção da troca de pneus. Ou seja, para um amante de duas rodas, é diversão garantida.

Temos que ter em mente que se a viagem for muito longa, 20 mil km, então além da revisão, é bom incluir na bagagem algumas peças, como velas, filtro de ar, pinhão, etc.. Tudo isto para evitar o perigo de não encontrá-las no caminho.

Como sempre eu deixo aqui apenas dicas e orientações, não são regras, mas funcionaram muito bem para mim. Mais uma vez friso que tem muita gente que viaja sem nada disso, porém em todas as minhas viagens nunca tive nenhum problema mecânico, nem sequer um furo de pneu. Assim pude aproveitar mais a viagem em si. Como diz aquele bordão do mundo dos negócios, planejamento é a chave do sucesso.



Arquivos para download:

Utilize esta planilha para elencar o itens de substituição e somar os valores. Não esqueça de listar também o serviço e o valor do trabalho do seu mecânico, tudo isso vai te ajudar com o controle de gastos mais a frente.

Download.


0 comentários:

Postar um comentário